cantinho da folia



origem da micareta de feira

Micareta de Feira, carnaval fora de época da cidade de Feira de Santana, na Bahia. Tudo começou: Manuel da Costa Ferreira, popularmente conhecido como "Maneca Ferreira" ou "Maneca da Coletoria", alé de trabalhar como "Coletor" também criava carros alegóricos; e quando soube do cancelamento do Carnaval da cidade de Feira de Santana, na Bahia (localizada a 109 quilômetros de Salvador) devido a fortes chuvas, ficou inconformado.

Maneca Ferreira foi procurar o amigo professor Antônio Garcia que criaram uma proposta de mudança da data da festa, onde apresentaram para a COMISSÃO ORGANIZADORA do Carnaval : João Bojô (artista), Oscar Marques (comerciante), Deraldo Araújo (cenógrafo), Arlindo Ferreira (tipógrafo), Ezichio Carneiro (comerciante), Lindauro Lima (tipógrafo), Arthur Sales (poeta) e Olímpio Ramos (comerciante), que foi plenamente aceito.


Foto J.Nogueira por Prefeitura Municipal Feira de Santana

Assim, no dia 27 de março de 1937 aconteceu a primeira MICARÊME, uma cópia da festa popular francesa na cidade baiana de Feira de Santana. Mais tarde foi chamada de MICARETA, nome escolhido em um concurso realizado na cidade de Feira de Santana (BA) com o objetivo de dar a festa um novo significado, ou seja, se convertendo em um grande espetáculo e redefinindo a forma de celebrar a folia momesca - com um carnaval fora de época. O nome micareta foi sugerido pelo professor e jornalista Antonio Garcia, em artigo publicado na Folha do Norte: "Escolheu-se o nome micareta porque parecido com micareme e lembrando careta, coisa típica da festa (Folha do Norte)"


Cena da 1ª Micareta de Feira de Santana - Carro Alegórico Flor do Carnaval

carros alegóricos

Os Carros Alegóricos, Grupos Folclóricos e Bandinhas como Zé Pereira, As Melindrosas, Cruz Vermelha, Flor do Carnaval, Filhos do Sol, dentre outros, animavam as Praças e Avenidas principais do centro da cidade, onde os foliões desfilavam com suas fantasias ou mascarados dando um toque pitoresco na micareta de rua.

Paralelamente a Micareta de Rua acontecia os BAILES CARNAVALESCOS para a elite feirense nos tradicionais clubes da cidade e nas Sedes das Filarmônicas Feirenses, como 25 de Março e Vitória. Alguns anos depois, os clubes foram perdendo os foliões da "classe alta" que passaram a preferir os desfiles que tomavam conta das ruas do centro da cidade.


majestades da folia

A realeza da Micareta recebe coroas, cetro, chave da cidade e faixas geralmente na quinta-feira em cerimônia. Conforme as leis da folia que o regem as majestades da folia decretam o estado permanente de alegria no município Feira de Santana, na Bahia.

Além do Rei Momo também é coroada a "Rainha da Micareta", a "1ªPrincesa" e a "2ª Princesa", que irão representar a alegria e toda a beleza dos feirenses nos quatro dias de folia.

Dono das chaves da cidade, o Monarca feirense têm os padrões exigidos : ser simpático, ter humor contagiante, gostar da Micareta e ter peso acima de 100kg, considerado ideal para a majestade.


Enorme Rei Momo montado em uma das primeiras Micareta de Feira


Celebração de Entrega da "Chave da Cidade" na abertura da Micareta



A primeira RAINHA DA MICARETA foi a foliã EUNIRA BOAVENTURA, escolhida em clima de euforia e alegria mas com muito Glamour como acontecia nos Concursos de MISS da época.

A majestade da folia, o REI MOMO I e ÚNICO era o mesmo do CARNAVAL DE SALVADOR, ou seja, o motorista de taxi Ferreirinha (Milton Ferreira da Silva) com 130 kg.

E foi somente em 1975 que aconteceu o primeiro concurso para eleger o PRIMEIRO REI MOMO de Feira de Santana, onde venceu Hilquias Carvalho.


Euvira Boaventura - 1ª Rainha da Micareta - 1937


R A I N H A S
2023 - Wladiele Menezes Brito
2020 - Naíra Cruz de Oliveira, 25 anos
2019 - Larissa Karolina Azevedo, 21 anos
2018 - Naiale Oliveira de Jesus, de 26 anos
2017 - Jaize dos Santos, 22 anos
2016 - Thaiane Santana
2015 - Carolina Lima
2014 - Jicilene de Oliveira
2013 - Mayara Marla Silva da Penha
2012 - Lizandra Costa, 18 anos
2011 - Hervânia Fagundes dos Santos, 21
            polêmica por ser gordinha
2010 - Juliana de Carvalho Santos, 21 anos
2009 - Thais Rocha, 17 anos
2001 - Marlanje Almeida Matos
1997 - Nubia Simões
1986 - Maria Claudia
1980 - Maria da Conceição Silva Souza
1979 - Suzene Galeão
1977 - Emilia de Oliveira Carneiro
1975 - Silene Machado
1974 - Maria de Fatima Fernandes
1973 - Ozana Barreto
1971 - Suely Pinheiro
1966 - Sônia Cerqueira
1965 - Ana Maria Nascimento
1957 - Osvaldite Boaventura
1950 - Adla Nascimento Sméra
1958 - Diva Brito
1949 - Delzair Mascarenhas
1947 - Delorisa Bastos
1937 - Eunira Boaventura


R E I   M O M O
2023 - Reginaldo Santana
2020 - Dilson Chagas (Dilsinho), 41 anos
2019 - Roberto Nery dos Santos
2018 - Anderson Correia dos Santos, 25 anos
2017 - Newton Carvalho
2016 - Adison Chagas (Dilsinho), 38 anos
2015 - Fred Abreu
2014 - André Luis Daltro Marinho
2013 - André Luiz Marinho, 148kg
2012 - Dilson Chagas
2011 - Dilson Chagas
2010 - Dilson Chagas Junior, 32 anos
2009 - Josevaldo Barbosa
1980 - Paulo Norberto
1975 - 1º Hilquias Carvalho
1958 - Rute Matos

1937 à 1974 - Rei Momo I e Único
Milton Ferreira da Silva (Ferreirinha)
Era da capital Salvador BA


Rainha 2011 - polêmica por ser gordinha

1ª   P R I N C E S A
2023 - Ana Lourena Bezerra (Anna Mell)
2019 - Andressa Souza Gonçalves
2018 - Taynara Rodrigues dos Santos
2017 - Alana Santos de Almeida
2016 - Hevelynn Franco
2015 - Uagna Vitória
2014 - Tamires Silva
2013 - Evelin Teles Miranda
2012 - Kathya Gouveia
2011 - Priscila Patrícia Oliveira Mendes
2010 - Benícia Keity Lima Estrela
2009 - Sanara Kelly Ribeiro
2001 - Daniela Santana
1997 - Flavia Régia
1986 - Marineide Almeida
1980 - Miridan Ribeiro Castro
1979 - Walcy Souza Soares
1977 - Maria das Graças
1975 - Helena
1974 - Meire Santos
1966 - Djamira Santos
1965 - Maria José Santa
1957 - Miriam Marques
1958 - Diva Brito
1950 - Marlene Costa Oliveira

2ª   P R I N C E S A
2023 - Naíra Cruz de Oliveira
2019 - Erica Rodrigues Lima Santos
2018 - Karolaine Lopes de Lima Feire
2017 - Suzana Ferreira dos Santos
2016 - Priscila Marques
2015 - Aparaceida Ariele
2014 - Marilânia Santos
2013 - Keliane Pessoa
2012 - Kellyane Silva
2011 - Manoela do Carmo Santos Bacelar
2010 - Laise Sales Fernandes
2009 - Luiza Fernanda de Souza
2001 - Fernanda Aguiar
1997 - Renay Hany
1986 - Vandenilce Lessa
1980 - Marcia Raquel Ferreira dos Santos
1979 - Elza Carneiro Rios
1977 - Mercedes de Aguiar
1975 - Marizete
1974 - Jandira Souza Prado
1973 - Ozana Barreto
1966 - Norma Galvão
1965 - Elice Costa
1958 - Hildete Galeão
1957 - Marquise Froes da Motta
1950 - Regina Bernardes Santos


Hilquias Carvalho - 1ª Rei Momo da Micareta - 1975

desfile do primeiro trio


Em 1954 a Micareta de Feira de Santana passou por uma revolução onde teve a PRIMEIRA PARTICIPAÇÃO de TRIO ELÉTRICO com o desfile do primeiro trio elétrico, o Patury, criado por Péricles Soledade em parceria com José Urbano Cerqueira (fabricante de instrumentos musicais) com Joaquim Bacelar (fabricante de aguardente cana Patury).

Tamanho o sucesso que no ano seguinte o trio foi incorporado definitivamente na Micareta.

Anos mais tarde, outros trios elétricos de Salvador (Tapajós, Jacaré e Ypiranga) desfilaram na Micareta Feira de Santana.


a micareta não foi realizada

No passado, a Micareta de Feira de Santana não foi realizada em cinco ocasiões: A primeira na década de 40 devido a Segunda Guerra Mundial. A segunda em 1964 quando ocorreu o Golpe Militar de Estado.

E em mais três anos o carnaval fora de época não foi realizado, devido a pandemia mundial de COVID-19; assim foi suspensa a folia em 2020, 2021 e 2022.

Em 2020, os preparativos para festa já estavam avançados, mas com o avanço da Covid-19 a folia foi abortada; A decisão de suspender a Micareta por tempo indeterminado ocorreu em 2020 por meio do decreto brasileiro que veta a realização de eventos de grande aglomeração de pessoas em todos os municípios do Brasil, enquanto a situação não for estabilizada no país.


circuito da folia

No início o percursso da Micareta acontecia na região central de Feira de Santana (BA), entre as Ruas Conselheiro Franco (na época conhecida como rua Direita), e Tertuliano Carneiro, onde começa a Praça Dr. Remédios Monteiro e termina na Praça Fróes da Mota. A folia ainda se estendia duas ruas à frente, na Praças da Bandeira e João Pedreira (Mercado de Arte Popular).

Nas décadas de 60 e 70, o circuito da festa foi sendo transferido para a Av Senhor dos Passos e a folia continuava acontecendo também na Praça da Bandeira e na na Praça João Pedreira. A Rua Conselheiro Franco acabou virando o palco para o desfile de Escolas de Samba. Anos depois, a Micareta Feira passou a ser realizada na Av. Getúlio Vargas.

Depois de muitos anos diminuindo, em 2023 o circuito oficial da Micareta de Feira ganha mais 200 metros. A Micareta de Feira já teve o circuito alterada algumas vezes. Até os anos 2000 o percurso dos trios era na Avenida Getúlio Vargas e desde 2001 a festa acontece na Avenida Presidente Dutra. No ano referido o percurso seguia da Praça Jackson do Amaral até o cruzamento com a Avenida João Durval, já em 2002 o trajeto foi alterado para o sentido inverso, que prevalece até hoje. Com o circuito maior, em 2023 o folião ganha mais alguns minutos de festa, o que no caso do evento mais aguardada pelo feirense, é uma excelente idéia.

Segundo a historiadora e professora da Universidade Estadual da Bahia (Uneb), Miranice Moreira da Silva: "Desde que a micareta surgiu, o local de realização da festa já mudou quatro vezes. Até a década de 70, organizada com o dinheiro arrecadado pelos próprios foliões, a festa acontecia na Rua Direito, atualmente chamada de Rua Conselheiro Franco. Depois, quando o município passou a gerir a festa, por conta da proporção que o evento tomou, a micareta mudou para a Avenida Senhor dos Passos, onde aconteceu até 1982. "Em 1982, a festa saiu da Avenida Senhor dos Passos e foi transferida para a Avenida Getúlio Vargas e ficou acontecendo lá até o ano 2000. Desde então, a festa é realizada na Avenida Presidente Dutra. Já são 19 anos no local".

Depois de nascer na Rua Direita, crescer e avançar pelas praças da Bandeira e João Pedreira e pelas avenidas Senhor dos Passos e Getulio Vargas, a festa acontece ao longo da Avenida Presidente Dutra. Com trios elétricos cada vez mais grandes e estilizados, em 2000 foi criado o CIRCUITO MANECA FERREIRA, na Av. Presidente Dutra. Em 2002, além do Circuito Maneca Ferreira, a Micareta ganhou novos espaços, conforme DECRETO regulamentado pela Prefeitura Municipal de Feira de Santana :

- ESPAÇO CHARLES ALBERT - localizado na praça da Kalilândia, o Espaço Charles Albert (homenagem ao artista que criava fantasias e decoração para a festa), um ambiente alternativo com estrutura para bailes vesperais infantis no sábado e no domingo e noturnos para a terceira idade, de sexta-feira a domingo, ao som de bandas de sopro tocando músicas carnavalescas antigas

- CIRCUITO QUILOMBOLA - Trecho da Av. João Durval Carneiro. O espaço é reservado para os blocos afros, escolas de samba e afoxé mostrarem as suas tradições e a força que deixa a festa mais rica e bela. Neste espaço o folião encontra palco com atrações especiais e arquibancada. Ainda tem o Palco J. Morbeck, um palco fixo, localizado no fim do circuito, onde bandas de todos os ritmos não deixam a galera ficar parada.

- PALCO "FIXO" JOTA MORBECK - Localizado no fim do Circuito Maneca Ferreira , tê folia no palco Jota Morbeck (homenagem ao artista feirense, um dos precursores da axé music), nas quatro noites grupos musicais de ritmos como o reggae, rock, pagode e outros. Em 2006, teve um palco inédito chamado "ESPAÇO LUIZ CALDAS" em homenagem ao criador do axé music.

- CIRCUITO MANECA FERREIRA - Localizado na Av. Presidente Dutra. O Maneca Ferreira homenageia um dos criadores da Micareta, Manoel Costa Ferreira, cenógrafo responsável pelos carros alegóricos que sairiam no carnaval cancelado devido à chuva. O seu nome foi dado ao circuito principal da festa por onde passam os blocos, os trios independentes, camarotes, arquibancadas, barracas organizadas, o Point Universitário e as grandes atrações da Micareta.

charles albert

O artista plástico e cenógrafo Charles Albert fez inesquecíveis trabalhos para a Micareta e para os Bailes pré folia. Fez decorações de rua, ornamentos para Clubes e Bailes, criou carros alegóricos para desfile nas ruas e luxuosas fantasias. O Argentino radicado em Feira de Santana desde 1968, também é cantor, dançarino e ator.
Foto : Adilson Simas


troféu oscar folia

Criado pela Revista Alternativa em 2001, o Troféu Oscar Folia é uma homenagem a um dos criadores da Micareta, OSCAR MARQUES, e tem o objetivo de premiar os "Melhores" da Micareta de Feira de Santana.

O comando desse prêmio foi delegado ao público folião através do voto popular com urnas colocadas nos shoppings da cidade. Atualmente a votação é online, através do site oficial (trofeuoscarfolia.com.br), CONTINUAÇÃO AQUI


2023  2019  2018  2017  2016  2015  2014
2013  2012  2011  2010  2009  2008


Foto Reprodução : TV San Filmes


micareta de outrora

A edição Extra do Jornal da Época descreve a micareta : "Usando uma decoração por demais atraente simbolizando uma coroa de um reinado que extenderia por quatro dias tomava forma uma das mais populares festas do interior baiano. Vestida por uma roupagem de chapéu de couro e margaridas, a cidade de Feira de Santana realizou sua maior micareta de todos os tempos, numa animação sem precedentes.

As Praças e Avenidas principais do centro foram ornamentadas com temas nordestinos, trios elétricos mantiveram os foliões animados durante todo o dia Máscaras originais deram um toque pitoresco a micareta de rua, em seguida lê a sua proclamação psicodélica dirigida a seus súditos."


trajetória da folia

A Micareta de Feira concentra o maior desfile de trios elétricos, palcos, camarotes, e reúne os principais artistas da Axé Music, gente bonita e muita folia.

1937 - Uma forte tempestade interrompeu o Carnaval da cidade de Feira de Santana ano, acabando com a alegria dos foliões. Maneca Ferreira (Manuel da Costa Ferreira) foi procurar o amigo professor Antônio Garcia que criaram uma proposta de mudança da data da festa, onde apresentaram para a COMISSÃO ORGANIZADORA do Carnaval : João Bojô (artista), Oscar Marques (comerciante), Deraldo Araújo (cenógrafo), Arlindo Ferreira (tipógrafo), Ezichio Carneiro (comerciante), Lindauro Lima (tipógrafo), Arthur Sales (poeta) e Olímpio Ramos (comerciante), que foi plenamente aceito.

Em 13 de fevereiro de 1937, o professor Antônio Garcia, redator da "Folha do Norte", publicava a nota que, efetivamente, determinava o nascimento da Micareta de Feira de Santana, na Bahia. "O segundo Carnaval de 1937, que (afirmamos à luz da verdade) não será um suplemento do tríduo da alegria, como tem sido em anos anteriores, mas uma compensação devida aos foliões feirenses, em virtude do malogrado derradeiro dia de Momo".

Em 27 de março de 1937, a Feira de Santana assistia a sua primeira Micareta, com três dias de grandes festas, bailes a fantasia, préstito, cordões e batucadas, que levaram a população a um tríduo de total e completo divertimento.

Acontece a primeira Micareta de Feira, substituindo a micareme, que em francês quer dizer meia quaresma. Escolheu-se o nome micareta porque parecido com micareme e lembrando careta, coisa típica da festa (Folha do Norte). O nome micareta foi sugerido pelo professor e jornalista Antonio Garcia, em artigo publicado na Folha do Norte.


A Flor do Carnaval, Os Amantes do Sol, o Clube Carnavalesco Milindrosas, além do Cruz Vermelha, de Salvador, abrilhantaram a primeira Micareta e muito contribuíram para seu êxito total. A Flor do Carnaval com seu grande préstito trazia três carros alegóricos, presididos por um arauto, representando o centurião romano Marcus Phoebus.
O primeiro carro representava um grande jarro; o segundo, denominado Inocência e Fidelidade, nasceu da ideia do grande artista feirense, um dos maiores incentivadores da Micareta, Manoel Costa Ferreira.

O terceiro era consagrado a Flora deusa das flores. Os Amantes do Sol traziam um arauto e o cordão, o seu famoso cordão, que se apresentou em ricos trajes vermelho, azul e amarelo. Era realizada a primeira Micareta da Feira de Santana graças a Antônio Garcia, Maneca Ferreira, Adalberto Sampai

1938
Carros alegóricos e mulheres bonitas também marcaram época. Aos poucos a Micareta foi crescendo e chegou às praças da Bandeira e João Pedreira. Na avenida Senhor dos Passos, a festa também se expandiu e ficou mais bonita, com mais espaço para os desfiles. A Micareta foi criada na antiga rua Direita, hoje chamada de Conselheiro Franco. As fantasias luxuosas davam o toque de beleza à festa. Carros alegóricos e mulheres bonitas também marcaram época. Aos poucos a Micareta foi crescendo e chegou às praças da Bandeira e João Pedreira. Na avenida Senhor dos Passos, a festa também se expandiu e ficou mais bonita, com mais espaço para os desfiles.

1944
A Micareta Feira de Santana não é realizada devido a II Guerra Mundial. Porém nos salões da "25 de Março" todos cantam Carmem Miranda: Taí, eu fiz tudo pra você gostar de mim. ó meu bem, faz assim comigo não. Você tem, você tem, que me dar seu coração. "O carnaval e a micareta coexistiram na cidade até 1944, quando a festa momesca deixou de ser realizada e saiu do calendário oficial de eventos do município."

1945
Os bailes da "25 de Março" eram apresentados pela imprensa: "As pessoas que não se acharem no nível social da 25 de Março é desnecessário o seu comparecimento a fim de evitar aborrecimentos com a Comissão de Porta". Realização de quatro grandes bailes. A micareta de rua deixa de ser realizada mais a Filarmônica 25 de Marão publica nota na imprensa local, anunciando a realizaão de quatro grandes bailes, prometendo inclusive ligar ventiladores para maior conforto dos seus associados.



1946
Os engraxates de Feira criam a batucada Amante da Folia, que ao longo da Rua Direita divide os aplausos do público com a batucada Estrela do Oriente, organizada pelos moradores do subúrbio do Ponto Central.
Além de Jeremias que desfila pelas ruas montado numa mula manca, a imprensa destaca o Canto do Cancão como um dos mais interessantes blocos, que com uma turma selecionada e boa na fuzarca revolucionou a cidade. A festa acontece de 12 a 15 de abril.

1947
A micareta foi ealizada nos dias 11, 12, 13 e 14 de abril de 1947, com grande animação nas ruas e nos clubes. Desfilaram os carros alegóricos OS GUARDAS DE MOMO (de João Figueiredo) e OS SENTINELAS DA RIA (de Isaac Nunes e Arlindo Pintor), além de ranchos, ternos e cordões,. A micareta foi chamada de MICARETA DE DEMOCRACIA por conta do fim do Estado Novo e a redemocratização do país com e a realização de eleições. Após ditadura Vargas, foram escolhidos "por voto", o prefeito Aguinaldo Soares Boaventura e os membros da primeira legislatura da câmara de vereadores, E folia nos tres clubes tradicionais 25 de Março, Vitória e Euterpe Feirense,

1949
O Cordão Cruz Vermelha da capital Salvador(BA) desfila na manhã de sábado. Na Praça da Bandeira Delzair Mascarenhas é coroada rainha à noite. No domingo acontece o desfile do Clube Carnavalesco Cruzeiro da Vitória, também de Salvador.
Nota assinada pelo secretário Ideval José Alves informa aos associados que a Micareta do Feira Tênis Clube revestir-se-á do maior brilhantismo, em comemoraão pelo 4o centenário de fundaão da Cidade do Salvador.

1950
A folia foi realizada de 15 à 18 de abril (sabado e domingo). A edição 2126 de abril 1950 do Jornal Folha do Norte veio com a matéria de capa Está chegando a hora (2): "A Feira dentro de oito dias estará em plena micareta que é uma festa sempre nova, diferente de todas as outras festas, a melhor festa da cidade princesa".
"A cidade inteira será contaminada pela alegria desta festa que é de ricos e pobres. A Rua Direita ficará inundada de foliões, gente dos subúrbios, visitantes de várias cidades, para ver as nossas batucadas e cordões para brincar e cantar".
"Abafando, como sempre abafou em outras micaretas, surgirá na Rua Direita, em requebrados gostosos, o cordão carnavalesco As Melindrosas, cantando interessante samba de Evaldo Rui e Fernando Lobo."

Segundo o jornal a diretoria da Filarmônica 25 de Março, da Filar&mônica Vitória e o Feira Tênis Clube vão premiar a melhor fantasia apresentada nos seus grandes bailes, quatro em cada clube e que "os foliões vão precisar de muita vitamina para aguentar a farra".
Entre as atrações vindas de Salvador, o Cordão Carnavalesco Cruz Vermelha, "com sua rainha, carro chefe, guarda de honra e a banda dos clarins com linda arauta feminina para as grandes festas da micareta que se aproximam com raro brilhantismo".
Adalberto Azevedo, Antonio Costa Pinto, álvaro Barbosa de Carvalho, Ilo Brasileiro, Manoel Narciso, Amando Nobre, Carlos Sampaio e Edgard Erudilho Suzarte, este pela imprensa, formam na comissão para a escolha dos melhores da micareta.

1954
Neste ano. a Micareta de Feira de Santana passou por uma revolução onde teve a PRIMEIRA PARTICIPAÇÃO de TRIO ELÉTRICO com o desfile do primeiro trio elétrico, o Patury, criado por Péricles Soledade em parceria com José Urbano Cerqueira (fabricante de instrumentos musicais) com Joaquim Bacelar (fabricante de aguardente cana Patury).



1955
Tamanho o sucesso que no ano seguinte o trio foi incorporado definitivamente na Micareta. Anos mais tarde, outros trios elétricos de Salvador (Tapajós, Jacaré e Ypiranga) desfilaram na Micareta Feira de Santana.

1964
Este ano não aconteceu a micareta em virtude do Golpe Militar.

1965
"Em 65, há informações de que, ao invés de quatro dias, a micareta teve um dia a mais como forma de compensar a não realização da festa no ano anterior. Já durante a segunda guerra, não há registro de desfile na rua, somente a realização dos bailes de micareta, que eram fechados, na Filarmônica 25 de março, um dos tradicionais clubes da cidade".


1966
A micareta é realizada nos dias 23, 24, 25 e 26 de abril. A Micareta de Feira concentra o maior desfile de trios elétricos, palcos, camarotes, e reúne os principais artistas da Axé Music, gente bonita e muita folia.
Sonia Cerqueira, candidato do Feira Tênis Clube é eleita rainha da micareta, tendo como princesas Djanira Santos apoiada pelos bancários e Clube de Campo Cajueiro e Norma Galvão, candidata da Euterpe. A micareta acontece de 23 a 26 de abril.

1967
Em 1967 foi Lançado o livro -31 Anos de Micareta-, publicado pelo jornalista Helder Alencar com capa de Juracy Dórea e republicado em 2011 pela Fundação Senhor dos Passos, o editor lembra que muito antes da Micareta, a cidade comemorava as festas de Momo com a denominação de Entrudo.

1970
A Micareta de 70 foi dedicada ao time de futebol Fluminense (campeão brasileiro em outubro 1969). A decoração de rua ganhou uma iluminação com lâmpadas verde, vermelho e branco. Desfile de um rico carro alegórico, uma carroceria do caminhão ganhou a forma de um campo de futebol, simbolizando os "Touros do Sertão" (criação de Péricles Valadares) com moças elegantemente uniformizadas com as cores do clube e uma uma multidão que acompanhava cantando o hino oficial do fluminense.
Na última micareta dirigida por uma comissão organizadora, o tradicional préstito micaretesco, trás como novidade um carro alegórico homenageando o Fluminense pela conquista do titulo de campeão baiano do ano anterior. é aplaudido ao longo do roteiro.

1971
A Prefeitura Municipal de Feira de Santana cria uma Diretoria Extraordinária de Turismo sob comando de Arlindo Pitombo (professor e compositor de marchinhas), que passa a ser responsável pela micareta, substituindo a comissão anterior.

O prefeito Newton Falcão cria a Diretoria Extraordinária para cuidar do Turismo e nomeia como diretor o professor Arlindo Pitombo. O novo órgão, vinculado ao Gabinete do Prefeito, assume a micareta fazendo desaparecer a tradicional comissão organizadora.

1973
Chamada de MICARETA DO CENTENÁRIO, em comemoração aos 100 anos de emancipação política de Feira de Santana, o carnaval fora de época foi grandioso. O Baile dos Artistas realizado no salões da Philarmônica Victória, contou com apresença de Elke Maravilha, membro do juri do Programa Chacrinha, que participou pela primeira vez da micareta.
Lei sancionada pelo prefeito José Falcão cria a Secretaria de Turismo Recreaão e Cultura, tendo como primeiro titular o ex-vereador Itaracy Pedra Branca. A Setur realiza a micareta do centenário com a presenãa de grandes nomes do rádio, cinema e televisão.


1974
O arquiteto Amélio Amorim, o artista Carlo Barbosa e o tapeceiro Charles Albert são os responsáveis pela decoraão exibida no Feira Tênis Clube, Euterpe e Cajueiro respectivamente. Nas ruas os trios-elétricos, Dodô&Osmar e Caetanave agitam os foliões.

1975
Magnificamente Adilson Simas descreve (3) como foi a micareta de 1975:
"A micareta foi realizada de 19 a 22 de abril de 1975, mas já a partir de março a cidade entrou no clima momesco. No comercio, por exemplo, em meio a confetes e serpentinas, as lojas exibiam nas suas vitrines camisas havaianas, shortes, sandálias e principalmente mortalhas. Naquele tempo ainda existiam os gritos de micareta. Com grande afluência de público, o primeiro aconteceu no sábado, 29 de março, na Cidade Nova e no dia seguinte repetiu-se o sucesso no Alto Cruzeiro." (3) Instituiu concurso para a escolha do Rei Momo, não mais trazendo FERREIRINHA, o Rei Momo do Carnaval de Salvador.

"Os gritos prosseguiram no dia 5 de abril de 1975, na Queimadinha, dia 9 no Sobradinho, dia 12 no Jardim da Paquera e encerrando a série houve grito no dia 16 na Praça da Kalilândia. Tamanha a importância desses ensaios que muitas vezes as emissoras de rádio faziam transmissão direta. No dia do primeiro grito no sábado de Aleluia, o Feira Tênis Clube brindou seu quadro social com o famoso baile - Uma Noite no Havaí- . Após a leitura do testamento de Judas, teve inicio a folia ao som da bandinha Fetecê e do trio Tapajós." (3)

"No sábado seguinte, dia 5 de abril de 1975, substituindo o baile - Ula Ula- o Clube de Campo Cajueiro realizou pela primeira vez o - Caju de Ouro- que se constituiria no maior evento divulgador não só da micareta, como da Feira de Santana. O primeiro - Caju de Ouro- foi realizado em grande estilo. Além das ricas e luxuosas fantasias do carnaval carioca, a Feira vieram artistas da Rede Globo, inclusive os que estavam participando das novelas em exibição. Dos nomes globais aqui estiveram Elisangela, Isabel Tereza, José Augusto Branco, Miriam Pérsia, Marina Montini. Com eles costureiros famosos como Clovis Bornay, Evandro Castro Lima e Eloy Machado." (3)

"Também no - Caju de Ouro- Vinicius de Morais, Gesse Gessy e a ex-missa Marta Vasconcelos, que ao lado de personalidades locais, como o arquiteto Juracy Dórea, formaram no júri que escolheu e elegeu as melhores fantasias em luxo e originalidade. Naquele concurso, Charles Albert, para uns, mexicano, para outros argentino e para nós um feirense de coração, expressão da cidade na arte da tapeçaria e da criação de fantasias, encantou os visitantes exibindo suas ricas criações concebidas em solo feirense."

"No sábado, dia 12 de abril 1975, uma semana antes do inicio oficial da micareta, aconteceu mais um elemento novo. Foi o concurso para a escolha do Rei Momo, sendo eleito Hilkias Carvalho, o conhecido Gordo do Portão, como era denominado um dos pontos de encontro dos artistas da cidade, na Praça Padre Ovídio, onde também funcionava a Gafes Galeria de Artes de Feira de Santana. Vale frisar que até 1974 a cidade trazia Ferreirinha, Rei Momo do carnaval de Salvador, para reinar na Micareta de Feira. Na sexta, 18, no palanque armado na Praça João Pedreira, o prefeito José Falcão da Silva coroou Silene Machado como rainha e as jovens Helena e Marizete como princesas. Já o Rei Momo recebeu as chaves da cidade. Findo o ato simbólico, rei, rainha, princesas e autoridades se dirigiram ao Ginásio do FTC, onde com muita pluma e paetês, teve inicio mais um Baile dos Artistas, quando Neide Sampaio, a rainha dos artistas em 74, passou a coroa para Alvalice Mércia, a nova rainha." (3)

"De sábado a terça-feira, foi só alegria. Nas ruas, além do préstito de domingo e terça-feira, muitos blocos, cordões, escolas de samba, batucadas, e trios elétricos arrastando a multidão. Nos clubes, além de bailes no Clube Ali Babá, Clube Sesi e Clube dos Sargentos e Subtenentes, os chamados grandes clubes, Cajueiro, Tênis e Euterpe, juntos, promoveram 28 bailes. O Tênis, presidido por Dazio Brasileiro Filho, tendo como secretário João Marinho Gomes e Eduardo Teles diretor social, brindou o associado com a decoração - Arlequim Supeestar- , bolada por Charles Albert." (3)

"No Cajueiro a Orquestra Yemanjá contratada pelo diretor social José Olimpio Mascarenhas tocou para o folião pular nos salões decorados com o tema - Aquário Musical- . Jacob Aguzzoli era o presidente. Na Euterpe, presidida por Rubem Carvalho, além dos cantores locais como Geraldo Borges interpretando velhas marchinhas, a presença do famoso Zé Pretinho da Bahia. - Micareta na China- foi o tema da decoração." (3)


1976
Além de três ricos e luxuosos carros alegóricos criados pelos artistas André e Charles Albert a micareta realizada de 24 a 27 de abril, ganha mais colorido nas ruas com o surgimento do bloco Nacional com 300 foliões comandados por Edinho e Nogueira.

1977
Com o tema EVOCAÇÃO À MICAREMA, micareta ocupa as Praças da Bandeira e João Pedreira e a Avenida Senhor dos Passos. Convidada do prefeito Colbert Martins, a cantora Emilinha Borba preside o júri que escolhe a rainha da micareta. Como nos velhos tempos, a Rua Direita volta a ser palco dos desfiles, justificando a decoraão denominada Evocação a Micareme.

1979
A Micareta foi realizada de 28 de abril a 01 de maio. No salão nobre da prefeitura, Zadir Porto, Beth Martins, Charles Albert, Ozana Barreto, Carlos Marques Filho, Dival Pitombo e Paulo Norberto elegem rainha da micareta a jovem Suzete Galeão. A mãe, Hildete Galeão, é eleita rainha do Baile dos Artistas.

1980
Aconteciam os bailes pré micaretescos: o NOITE DO HAWAI, o BAILE DAS ATRIZES e a 6ª edição do BAILE CAJU DE OURO em que ocorreu o concurso de fantasias por Clovis Bornay, Wilza Carla, Eloi Machado, dentre outros. A micareta foi realizada de 18 a 22 de abril. "Nas ruas, os blocos, batucadas, escolas de samba, cordões, préstitos com as fantasias de Charles Albert em ricos carros alegóricos e trios el&oeacute;tricos como Tapajós, Tocantins, Marajós, Traz-Os-Montes, Maravilha, Zé Pereira, Saborosa, Tabajara e tantos outros arrastando a multidão cantando "Ô balancê, balancê" de Braguinha na voz de Gal Costa."(1)

DÉCADA DE 80 - A Micareta ganha mais espaço mudando de local para a Avenida Getúlio Vargas. Os blocos com trios elétricos conquistam total espaço na festa, deixando para trás os tradicionais "cordões" que atraíam algumas dezenas de pessoas animadas por uma orquestra sinfônica. Os primeiros grandes blocos que conquistam o público e se solidificam são: "Os Nacionais", "Uca", "Raízes" e "Mendonça". Os blocos passam a ser mais criativos para conquistar o público e vencer o desfile, mesmo que a premiação fosse simbólica. Destaque para : BLOCO RAÍZES (desfilou de 84 a 89), BLOCO OS NACIONAIS que fazia concurso para a escolha da fantasia e se orgulha por ter desfilado com a Banda Chiclete com Banana (Bell Marques) e o BLOCO UCA (de 80 à 85 foi o bloco sensação d Micareta).

1981
No sábado, dia 02 de maio, Feira de Santana (BA) estava em clima de micareta, que naquele ano foi mais longa por conta do feriado do dia primeiro. Os bailes aconteciam no Cajueiro, no Tênis,em Euterpe e outros Clubes. Nas ruas da cidade desfilava o Bloco como OS NACIONAIS ao som de trios elétrico.


Foto acervo de Adilson Simas


MORTALHA - fantasia do Bloco UCA - 1985 - Foto : Adilson Simas

O trio TRAZ O MONTE arrastava uma multidão de foliões nas avenidas da cidade. A música DEIXA O CORAÇÃO MANDAR era o hit do momento, sendo cantada nos clubes e em trios. A canção era uma louvação ao Mário Kertész, prefeito de Salvador/BA na época. Por conta do feriado de sexta-feira, 1o de maio, realiza-se a mais longa micareta. Comeãa na quinta-feira, 30, com o XII Baile dos Artistas, que coroa como rainha a cantora Ednalva Santana. O baile é marcado por forte presenãa do top less.

1983
A Escola de Samba Beija Flor (do Rio de Janeiro) desfila no sábado da micareta com Joãozinho Trinta e lindas mulatas carioca, alé de 150 figurantes.

1984
Realizada de 28 de abril à 01 de maio, a micareta encheu a cidade de cores, de luzes, de alegria, de amor. Neste ano, o Bloco "As Piranhas" desfila pela primeira vez com aproximadamente 200 homens vestidos de mulher e a cada ano sua irreverência foi ganhando espaço na folia de Momo. Desfilam as Banda Chiclete com Banana (Bell Marques), Banda Papa Légua, Banda Gaiola Mágica, dentre outros.

1985
Um dos maiores da Micareta, o Bloco do Caju, depois de anos sem desfilar volta para a folia e leva para a Avenida, a Banda Acordes Verdes e Luiz Caldas. Destaque: presença de Joãozinho Trinta na Micareta. Os antigos bailes da Micareta de Feira sempre foram realizados com muito glamour, na Euterpe Feirense e na sede das filarmônicas 25 de Março e da Vitória, as fantasias surpreendiam pela criatividade.

1986
Micareta de Feira é destaque na imprensa nacional, atraindo 50 mil turistas e 150 mil pessoas na Avenida Getúlio Vargas da Micareta. O bloco da imprensa ZERO HORA desfila na micareta, satirizando o fracasso da passagem do Planeta Halley.
Chamada de MICARETA FESTANÇA NO NORDESTE, o carnaval fora de época contou com o desfile de 25 trios elétricos, 16 blocos e escolas de samba .

Os artistas Charles Albert e André fizeram carros alegóricos com os temas "Copa do México e Cometa de Halley", a do Rei Momo I e Único era ornamentado em ouro e branco. Outro em homenagem a Copa com fantasias lindas (México, passado e presente), o terceiro "As Garotas Halley" e o quarto levando a Rainha e as duas Princesas.

1991
O BLOCO PSIU desfila pela primeira vez na Micareta.

1993
Até neste ano, a fantasia padrão dos blocos de trio era a MORTALHA. O Bloco Psiu desfila com a Banda Chiclete com Banana (Bell Marques).

1995
A micareta adere ao ABADÁ, composta por Camiseta, shorts e alguns acessórios.
Reunidos com a imprensa, o Tenente Coronel Joaquim Matos, do 1o BPM/FS; Mauro Morais, da 3o Dirpin e Samuel Santana, da 3o Ciretran, informam que 2.500 homens e uma centena de veículos vão garantir a seguranãa dos foliões e da populaãão durante a micareta.

1997
A Micareta é realizada de 24 à 27 de abril. O BLOCO ZERO HORA desfila na sexta(25) como rei do bloco escolhido, o jornalista "Valdomiro Silva". O bloco infantil ZERINHO desfila pela primeira vez na micareta no domingo, dia 27 de abril, animado por um trio elétrico Maria Fumaça puxado pela cantora Selma Magalhães, com fantasias fazendo alusã aos super-heróis, que foi uma novidade e destaque na época. O desfile estava marcado para 10h mas saiu as 13h. O bloco foi fundado por filhos de artistas, jornalistas, radialistas, e coordenado pela jornalista Aparecida Machado.

1999
Fundação do Bloco Levada Elétrica, iniciativa da TV Subaé.

2000
Nas décadas de 60 e 70 o circuito da festa foi transferido para a Avenida Senhor dos Passos e logo em seguida para a Avenida Getúlio Vargas, onde foi realizada até o ano 2000.
Em 2000, em sua 62ª edição, a Micareta muda mais uma vez de local, o percursso sai da Av. Getúlio Vargas e vai para a Av. Presidente Dutra. Com um percurso maior a proposta é que fosse mais organizada. Camarotes e publicidade são terceirizados.
O Circuito Maneca Ferreira se tornou até hoje o local principal da festa momesca, situado na avenida Presidente Dutra. Também foram criados circuitos alternativos como o Quiolombola (trecho da avenida João Durval Carneiro) e Charles Albert (Kalilândia).
Depois de nascer na Rua Direita, crescer e avanãar pelas praãas da Bandeira e João Pedreira e pelas avenidas Senhor dos Passos e Getulio Vargas, a festa acontece ao longo da Avenida Presidente Dutra. Foi a última micareta do século XX.


evolução da micareta

"A micareta soube acompanhar os avanços da cidade. Em 1975, instituiu concurso para a escolha do Rei Momo, não mais trazendo FERREIRINHA, o Rei Momo do Carnaval de Salvador. O prefeito Colbert Martins criou os primeiros camarotes e arquibancadas." (4)
"Os bailes a fantasia trocaram os salões da 25 de Março e Victória, pelos amplos e modernos da Euterpe Feirense, Feira Tênis Clube, Clube de Campo Cajueiro e outros menores como Clube dos Comerciários, Ali Babá, Clube dos Sargentos e Clube dos Trabalhadores. Ressalte-se que Tênis e Cajueiro, criaram os bailes pré-micaretescos, Uma Noite no Hawaí e Caju de Ouro, respectivamente." (4)
"Os desfiles e a animação popular, no começo na Rua Direita (desde a Conselheiro Franco até a Tertuliano Carneiro), chegaram as praças da Bandeira e João Pedreira, se expandiram pela avenida Senhor dos Passos e quando davam sinais que ocupariam toda a extensão da longa avenida Getulio Vargas, foram transferidos em 2000, na última micareta do milênio, para a Avenida Presidente Dutra, na administração do Prefeito Clailton Mascarenhas, que promoveu as primeiras melhorias." (4)


programação completa


MICARETA 2001


MICARETA 2002


MICARETA 2003


MICARETA 2004


MICARETA 2005


MICARETA 2006


MICARETA 2007


MICARETA 2008


MICARETA 2009


MICARETA 2010


MICARETA 2011


MICARETA 2012


MICARETA 2013


MICARETA 2014


MICARETA 2015


MICARETA 2016


MICARETA 2017


MICARETA 2018


MICARETA 2019


MICARETA 2020


MICARETA 2021


MICARETA 2022


MICARETA 2023


MICARETA 2024


a micareta persiste

"A Micareta de Feira de Santana é a única festa do gênero, aberta ao público, que sobreviveu no país."

"Várias outras festas criadas nos mesmos moldes da nossa, de ser um carnaval de rua, fora de época, não sobrevive- ram ou acabaram sendo totalmente privatizadas".

Revelou o prefeito José Ronaldo ao Jornal Grande Bahia, publicado em 11 de outubro 2016.


referências bibliográfica
- Pesquisadora Lilian Cristina Marcon
- (1) Prefeitura Municipal de Feira de Santana, "Ecos da Micareta: Em 1980 a micareta foi rica em atrações", SEE+
- (2) Jornal Folha do Norte, edição 2126, abril 1950 - Texto Está chegando a hora.
- (3) Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Historia por Adilson Simas, 08/4/2019
- (4) Prefeitura Municipal de Feira de Santana, A evolução da micareta ao longo do tempo, por Adilson Simas, 14/2/2018
- Prefeitura Municipal de Feira de Santana, site oficial SEE+
- Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Textos do Jornalista ADILSON SIMAS
- Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Fotos do acervo de ADILSON SIMAS
- Prefeitura Municipal de Feira de Santana, Micaretas do Seculo Passado, 20/4/2020
- Prefeitura Municipal de Feira de Santana, "Ecos da Micareta: Bloco Zerinho inovou adotando o trio elétrico", 25/04/2014
- Prefeitura Municipal de Feira de Santana, "Ecos da Micareta: Os carros alegóricos de Charles Albert em 1986", 02/04/2014, 17:30h
- Prefeitura Municipal de Feira de Santana, "História da Micareta"
- Blog Por Simas, Adilson Simas - SEE+
- Exposição - 23 de abril à 05 de maio 2013, no Shopping Boulevard, em Feira de Santana BA - SEE+
- Jornal Feira Hoje, Coluna "Pois É", por Helder Alencar, 19 de abril de 1975
- Jornal Grande Bahia, Foto Carlos Augusto - Micareta 2010
- Jornal Grande Bahia, "A primeira micareta de Feira de Santana", por Adilson Simas, 30 de abril 2017
- Jornal Grande Bahia, "Feira de Santana em História: A Micareta de 1950", por Adilson Simas, 03/05/2020
- Jornal Grande Bahia, "Micareta 2017: Prefeitura de Feira de Santana define festejo de 18 a 21 de maio", 11/10/2016. - Jornal Folha do Norte de Antonio Garcia
- Alencar, Helder - Livro "31 anos de Micareta"
- Sani Filmes, Câmeras O.Santini e Benedito José, vídeo Edição Extra do Jornal da época


CarnAxE, aqui é  Carnaval

Cultura e Folia : www.carnaxe.com.br